O caminho à paz do homem comum
C.H. Spurgeon
"Saindo Jesus dali, dois cegos o seguiram, clamando: 'Filho de Davi, tem misericórdia 
de nós!' Entrando ele em casa, os cegos se aproximaram, e ele lhes perguntou: 'Vocês 
crêem que eu sou capaz de fazer isso?' Eles responderam: 'Sim, Senhor!' E ele, tocando 
nos olhos deles, disse: 'Que lhes seja feito segundo a fé que vocês têm!' E a visão deles 
foi restaurada. Então Jesus os advertiu severamente: 'Cuidem para que ninguém saiba 
disso' " (Mateus 9.27-30).
Não estou para fazer uma exposição desse incidente, nem para tirar ilustrações dele, mas só quero dirigir a sua atenção a um único aspecto dele, que é a sua extrema simplicidade. Existem outros casos de cegos, e temos vários incidentes ligados com eles, tais como, em um caso, o fazer barro, e o envio do paciente para se lavar no tanque de Siloé, e assim por diante. Mas aqui, a cura é extremamente simples: os homens estão cegos, clamam a Jesus, aproximam-se, confessam a sua fé, e recebem de imediato a vista. Em muitos outros casos de milagres operados por Cristo, havia circunstâncias de dificuldade; em certo caso, um homem foi descido através de um buraco no telhado, tendo sido levado para lá por quatro homens; em um segundo caso, uma mulher vem por trás dele na multidão apertada, e, com grande esforço, toca na fímbria das suas vestes; lemos a respeito de outro, que já estivera morto fazia quatro dias, e parecia haver nítida impossibilidade para ele chegar a sair do túmulo; mas no presente caso tudo acontece com singeleza. Aqui temos cegos, conscientes da sua cegueira, confiantes de que Cristo pode lhes restaurar a vista, clamam a ele, chegam até ele, crêem que ele pode lhes abrir os olhos, e recebem imediatamente a vista. Vocês percebem que houve, no caso deles, os seguintes elementos singelos:--a consciência da cegueira, o desejo pela vista; depois, a oração, e depois, a vinda até Cristo e, ainda, uma confissão aberta da fé, e em seguida, a cura. A questão se acha bem resumida. Não há pormenores, nenhum aspecto de cuidados e delicadezas que porventura sugerissem a ansiedade: o acontecido é da pura singeleza, e este é o único aspecto que me deterá na presente ocasião. 

Existem casos de conversão tão simples como o presente caso da abertura dos olhos dos cegos; e não devemos duvidar da realidade da obra da graça neles, só por causa da ausência de incidentes singulares e de pormenores notáveis. Não devemos supor que uma conversão é uma obra menos genuína do Espírito Santo, porque é extremamente singela. Que o Espírito Santo abençoe a nossa meditação. 
  
I. Para tornar esse nosso estudo útil a muitos, começarei notando, em primeiro lugar, que é um fato indubitável que muitas pessoas ficam bastante perturbadas ao chegar a Cristo. É fato que devemos reconhecer, que nem todos vêm a Cristo tão prontamente como esses cegos. Existem casos registrados nas biografias--existem muitas que nos são conhecidas, e talvez nossos próprios casos estejam entre eles--em que vir a Cristo era questão de luta, de esforço, de decepção, de longa espera e, finalmente, de um tipo de desespero que nos obrigou a vir. Vocês devem ter lido a descrição de John Bunyan de como os peregrinos chegavam à porta estreita. Como vocês se lembram, Evangelista lhes indicava uma luz e uma porta, e seguiram por aquele caminho a convite dele. Contei a vocês, algumas vezes, a história de um jovem em Edimburgo, que estava muito ansioso para falar com outras pessoas a respeito da alma delas; de modo que, certa manhã, dirigiu-se a uma velha vendedora de peixes em Mussellburgh, e ele começou dizendo a ela: "Aqui está você com seu fardo". "Sim", disse ela. Ele lhe perguntou: "Você já sentiu um fardo espiritual?". "Sim", disse ela, descansando um pouco, "senti o fardo espiritual há muitos anos, antes de você ter nascido, e me livrei dele, também; mas não fui lidar com o assunto da mesma maneira que o 'Peregrino' de Bunyan". Nosso jovem amigo ficou grandemente surpreso ao ouvi-la dizer assim, imaginava que ela devesse estar gravemente enganada, e por isso, pediu que ela explicasse. "Não", disse ela, "quando senti preocupação no tocante à minha alma, escutei um verdadeiro ministro do evangelho, que me mandou olhar para a cruz de Cristo, e ali perdi meu fardo de pecado. Não fui escutar um daqueles pregadores de água com leite, como o 
Evangelista de Bunyan". Nosso jovem amigo perguntou a ela: "Como você chega a essa conclusão?". "É porque, aquele Evangelista, ao encontrar aquele homem que carregava um fardo nas costas, disse-lhe: 'Você vê aquela porta estreita?'. 'Não', disse ele, 'não a vejo'. 'Você vê aquela luz?'. 'Acho que sim'. Ora, homem", disse ela, "ele não deveria ter falado a respeito de portas estreitas ou de luzes, mas deveria ter dito: 'Você vê Jesus Cristo pendurado na cruz? Olhe para ele, e seu fardo cairá do seu ombro'. Mandou o homem pelo caminho errado ao mandá-lo procurar a porta estreita, e não lhe fez muito bem com isso, porque tinha a probabilidade de afogar no pântano do desânimo antes de chegar ali. Posso lhe dizer que olhei de imediato para a cruz, e meu fardo sumiu". "O que?", disse esse jovem, "você nunca passou pelo pântano do desânimo?". "Ah", disse ela, "muitas vezes, mais do que quero contar. 

Mas logo de início escutei o pregador dizer: 'Olhe para Cristo', e olhei para Cristo. Já passei pelo pântano do desânimo depois disso; mas posso lhe dizer, senhor, que é muito mais fácil passar por aquele pântano sem fardo, do que com o fardo amarrado nas costas". E é assim mesmo. Bem-aventurados aqueles cujos olhos se fixam única e exclusivamente no Crucificado. Quanto mais velho fico, tanta mais certeza tenho disso, que devemos acabar com o próprio-eu em todas as suas formas e ver somente a Jesus, se quisermos ter paz. John Bunyan estava enganado? Certamente não; descrevia as coisas como são. A senhora idosa estava errada? Não, ela estava com toda a razão: descrevia as coisas como devem ser, do modo que eu desejaria que sempre fossem. No entanto, a experiência nem sempre é o que deveria ser, e boa parte da experiência dos cristãos não é experiência cristã. É um fato que lamento, mas mesmo assim, deve reconhecer que grande número de pessoas, antes de chegar à cruz e perder o fardo, vão contornando por uma caminhada interminável, experimentando um plano e outro, mas com sucesso muito limitado, afinal, em vez de chegarem imediatamente a Cristo, assim como estão, confiando nele e achando imediatamente a luz e a vida. Como é, pois, que algumas pessoas demoram tanto em chegarem até Cristo? Respondo, primeiramente, que em alguns casos se trata de ignorância. Talvez não exista outro assunto a respeito do qual as pessoas sejam tão ignorantes, tanto quanto do evangelho. Ele não é pregado em centenas de lugares? Sim, ele o é, graças a Deus! E ilustrado em livros sem fim; mas, apesar disso, não é dessa forma que chegam até ele; nem ouvindo, nem lendo, poderão descobrir o evangelho por si mesmos. É necessário o ensino do Espírito Santo, senão, as pessoas permanecem na ignorância quanto a essa simplicidade -- simplicidade da salvação mediante a fé. As pessoas estão no escuro, e não sabem o caminho; e por isso correm para cá e para lá, e não raro procuram um Salvador que esteja disposto a abençoá-las de imediato. Clamam: "Quem dera eu soubesse onde achá-lo!", ao passo que, se tão-somente compreendessem a verdade, perceberiam que a salvação está bem perto delas: "na sua boca e no seu coração". E se quiserem crer no Senhor Jesus, de coração e com a boca o fizerem e confessarem Cristo, serão salvas de imediato. 

Em muitos casos, também, os homens sofrem o empecilho do preconceito. As pessoas são ensinadas a crer que a salvação deve ser por meio de cerimônias; e caso se vejam obrigadas a sair dessa posição, ainda concluem que, certamente dependerá, em certo sentido, das suas boas obras. Muitas pessoas aprenderam um evangelho do tipo meio a meio, parcialmente pela lei, e parcialmente pela graça, e ficam em uma névoa espessa no tocante à salvação. Sabem que a redenção tem alguma coisa que ver com Cristo, mas com elas se trata de uma mistura total; não conseguem enxergar bem que se trata de Cristo inteiramente, ou de nenhum Cristo. Têm alguma idéia de ser salvos pela graça, mas ainda não enxergam que a salvação deve ser totalmente pela graça; não conseguem enxergar que, para a salvação ser pela graça, deve ser recebida pela graça e não mediante as obras da lei, nem pelas artes dos sacerdotes, nem por quaisquer ritos e cerimônias. Tendo sido ensinadas, desde a infância, que decerto há alguma coisa para realizarem por conta, demoram muito tempo antes de chegarem à plena luz clara e bendita da Palavra, onde o filho de Deus vê Cristo e acha a liberdade. "Creia e viva" é uma expressão estrangeira para a alma persuadida de que suas obras devem em certa medida, conquistar a vida eterna. 

Com muitas pessoas, na realidade, o empecilho se acha na instrução totalmente errônea. O ensino por demais comum hoje em dia é muito perigoso. O culto não faz distinção entre santos e pecadores--entre crentes e ímpios. Determinadas orações são proferidas todos os dias para crentes e ímpios igualmente--roupas prontas, feitas para servir para todos, sem servir para ninguém. Essas orações, por belíssimas e grandiosas que sejam, não são adequadas para os crentes, nem para os ímpios, pois ensinam as pessoas a ter o conceito e a ilusão de estar em algum ponto entre salvas e perdidas--não realmente perdidas, por certo, mas ainda não bem santificadas -- estão no meio, são híbridos de raças mistas -- do tipo dos samaritanos que temem ao Senhor e servem a outros deuses, e que esperam ser salvos mediante o amálgama de graça e de obras. É difícil levar as pessoas à graça e à fé somente; estão desejosas de ficar em pé, mantendo um dos pés no mar, e o outro na terra. Boa parte do ensino serve para sustentar nelas a idéia de que há algo no homem, e algo a ser feito por ele, e assim não ficam sabendo, na própria alma, que devem ser salvas por Cristo, e não por si mesmas. Além disso, há o orgulho natural do coração humano. Não gostamos de ser salvos por caridade, queremos fazer nossa contribuição. Ficamos encurralados; somos forçados cada vez mais longe da autoconfiança, mas ainda agarramo-nos com unhas e dentes, se não conseguimos nos segurar por outros meios. Terrivelmente desesperados, confiamos em nós mesmos. Mesmo com os cílios queremos nos agarrar a algo parecido com a autoconfiança: não abriremos mão da confiança carnal se for possível mantê-la. Então vai entrando, com o orgulho, a oposição a Deus; pois o coração humano não ama a Deus, e muitas vezes demonstra sua oposição por meio da rejeição a Deus no tocante ao plano da salvação. A inimizade da parte do coração não renovado não é demonstrada, em todos os casos, por pecados flagrantes, por serem muitos, pela própria educação; foram ensinados a serem morais, mas odeiam o plano da graça de Deus, apenas pela graça somente, e é nesta questão que seu fel de amargura começa a operar. Como se contorcem no assento da igreja, se o ministro pregar a soberania divina; odeiam este texto: "Terei misericórdia de quem eu quiser ter misericórdia e terei compaixão de quem eu quiser ter compaixão" (Rm 9.15). Falam a respeito dos direitos dos homens caídos, e a respeito de serem todos tratados igualmente; e quando se trata da soberania de Deus, e de Deus manifestar sua graça em conformidade com sua vontade absoluta, não aguentam tal coisa. Se for para tolerar a Deus, não será no trono; se for para reconhecer a existência de Deus, não o tratarão como Rei dos reis e Senhor dos senhores que age segundo a própria vontade, e quem tem o direito de perdoar a quem ele acolhe, e de deixar os culpados, se assim lhe agradar, para perecerem na culpa de rejeição ao Salvador. Ah, o coração humano não ama a Deus como Deus, como ele é revelado nas Escrituras, mas cria um deus para si mesmo, e exclama: "Eis aí, ó Israel, os seus deuses" (Êx 32.8). 

Em alguns casos, a dificuldade do coração em chegar a Cristo surge de uma singularidade de conformação mental, e tais casos devem ser considerados exceções, e não regras. Agora, vejamos, por exemplo, o caso de John Bunyan, ao qual já referimos. Se você ler Grace Abounding [Graça abundante], descobrirá que, durante cinco anos ou mais, ele sofria do mais tremendo desespero,--tentado por Satanás, pelo próprio eu, sempre levantando dificuldades contra si mesmo; e custou-lhe muitíssimo tempo antes de conseguir chegar até a cruz e achar paz. Por outro lado, caro amigo, é muito improvável que você ou eu viremos a ser um John Bunyan. Poderemos ser funileiros, mas nunca poderemos escrever O peregrino. Poderemos imitá-lo na sua pobreza, mas não teremos a probabilidade de ser um gênio como ele: um homem com tamanha imaginação, cheio de sonhos maravilhosos, não nasce todos os dias, e quando surge alguém assim, sua herança cerebral não é, de forma nenhuma, uma conquista no sentido de uma vida tranquila. Depois de a imaginação de Bunyan ter sido purificada, suas obras produzidas passaram a ser vistas nas alegorias maravilhosas; mas enquanto ele ainda não fora renovado e reconciliado com Deus, com mente semelhante, formada de modo tão estranho e destituída de toda a cultura, tendo sido ele mesmo criado na sociedade mais grosseira, a herança recebida foi pavorosa. A imaginação maravilhosa poderia lhe ter causado desgraças impensáveis se não tivesse sido controlado pelo Espírito divino. Você estranha que, ao chegar à luz do dia, os olhos cobertos de trevas tão densas que mal podiam suportar a luz, o homem considerasse as 
trevas mais escuras à medida que a luz começou a brilhar sobre ele? Bunyan era incomparável; não a regra, mas a exceção. Ora, você, caro amigo, pode ser uma pessoa estranha. É muito provável que você o seja; e eu posso sentir comiseração por você, pois eu mesmo sou bastante estranho; mas não defina uma regra no sentido de todas as demais pessoas deverem forçosamente ser estranhas também. Caso aconteça que você e eu, andemos por caminhos irregulares, não pensemos que todas as pessoas devam seguir nosso mau exemplo. Devemos nos sentir muito gratos por que a mente de algumas pessoas são menos retorcidas e enodadas que a nossa, e não estabeleçamos nossa experiência como padrão para outras pessoas. Sem dúvida, dificuldades poderão surgir com base em uma qualidade mental extraordinária com a qual Deus pode ter dotado alguns, ou de uma depressão de espírito natural para outras pessoas, e estas podem deixar tais pessoas estranhas enquanto viverem. 

Além disso, existem os impedidos de vir a Cristo mediante os notáveis ataques de Satanás. Você se lembra da história do menino que o pai quis levar até Jesus, mas "quando o menino vinha vindo, o demônio o lançou por terra, em convulsão" (Lc 9.42)? O espírito maligno sabia que seu tempo seria curto, que em breve seria expulso da sua vítima, e por isso, lançou o menino por terra, em um ataque de epilepsia, deixando-o semimorto. E assim faz Satanás com muitos homens. Ataca-os com toda a brutalidade de sua natureza demoníaca, e descarrega neles sua maldade, porque teme que estão para escapar do seu serviço, não podendo mais tiranizá-los. Como diz Watts: "Ele atormenta a quem não consegue devorar, e isso com júbilo malicioso". 
Ora, se alguns chegam a Cristo, e ao Diabo não é permitido atacá-los, se alguns chegam a Cristo, e nada há de estranho na sua experiência, se alguns chegam a Cristo, e o orgulho e a oposição foram conquistados na sua natureza, se alguns chegam a Cristo, e não são ignorantes, mas bem instruídos, e facilmente enxergam a luz, regozijemo-nos que assim acontece. É a respeito de tais pessoas que estou para falar um pouco mais prolongadamente. 
  
II. Admite-se como fato indubitável que muitas pessoas têm grande dificuldade em vir a Cristo; mas agora, em segundo lugar, isso não é essencial, de modo algum, para alguém chegar real e salvificamente ao Senhor Jesus Cristo. Menciono isso porque já conheci cristãos aflitos de coração porque receiam ter chegado a Jesus por demais facilmente. Têm quase imaginado, ao relembrar o passado, ser possível que sequer tenham sido realmente convertidos, porque sua conversão não foi acompanhada de tamanha agonia e tormento mentais aos quais outros se referem. 
Eu gostaria de observar, em primeiro lugar, que é muito difícil entender que sentimentos de desespero possam ser essenciais para a salvação. Examinemos o caso, por alguns momentos. Seria possível a incredulidade ajudar a alma a chegar à fé? Não é certo que a angústia experimentada por muitos antes de chegarem a Cristo surge do fato da sua incredulidade? Não confiam--dizem que não conseguem confiar--, e assim são como o mar perturbado que não sossega. Sua mente é jogada para cá e para lá, e dolorosamente atormentada pela incredulidade; esse é um alicerce para a santa confiança em Cristo? Para mim, pareceria a coisa mais estranha no mundo inteiro, se a incredulidade fosse o preparativo para a fé. Como seria possível que semear o terreno com cardos o deixasse mais bem preparado para os bons grãos de trigo? O fogo e a espada ajudam na prosperidade nacional? O veneno mortífero é uma ajuda para a saúde? Não compreendo 
isso. Parece-me muito melhor a alma crer imediatamente na Palavra de Deus, e esta seria provavelmente uma obra mais genuína quando a alma, convicta do pecado, aceita o Salvador. 

É esse o caminho da salvação que Deus oferece, e ele exige que eu realmente confie no seu Filho amado, que morreu a favor de pecadores. Percebo que Cristo é digno de confiança, pois ele é o Filho de Deus, de modo que seu sacrifício forçosamente deve ter a capacidade de remover meu pecado; percebo, também, que ele entregou sua vida a favor do seu povo, no lugar deste, e em vez deste, e por isso confio nele de todo o meu coração. Deus me manda confiar nele, e realmente confio nele sem mais questionamento. Se Jesus Cristo satisfaz as exigências de Deus, certamente me satisfaz a mim; e, sem fazer mais perguntas, venho a ele e me confio às mãos dele. Esse tipo de ação não parece ter em si tudo o que possa ser necessário? Será possível que o desespero violento e gritante possa ajudar a alcançar uma fé salvífica? Não consigo enxergar assim. Não consigo pensar assim. Alguns já foram acossados pelos pensamentos mais terríveis. Pensaram não haver a mínima possibilidade de Deus os perdoar; chegaram a imaginar que, mesmo que Deus pudesse perdoar-lhes, não o faria, posto não serem seus eleitos, nem redimidos. Embora tenham visto o convite evangélico escrito com letras de amor: "Venham a mim, todos os que estão cansados e sobrecarregados, e eu lhes darei descanso" (Mt 11.28), ousam questionar se acharão mesmo descanso caso realmente viessem, e inventam suspeitas e suposições--algumas das quais chegam a ser contra o caráter de Deus e da pessoa do seu Cristo. 

Que semelhantes pessoas foram perdoadas segundo as riquezas da graça divina, realmente acredito, mas não posso imaginar que seus pensamentos pecaminosos tenham-nas ajudado a obter perdão. Que meus pensamentos sombrios a respeito de Deus, que deixaram muitas cicatrizes no meu espírito, foram lavados junto com todos os meus outros pecados, isso eu sei; mas não posso saber se houve algo de bom nesses pensamentos, nem poderei relembrá-los sem vergonha e lástima. Não consigo enxergar qual préstimo específico poderão ter oferecido a pessoa alguma. Será que um banho de tinta poderá remover a mancha deixada por outro? Nosso pecado pode ser removido por meio de pecarmos mais? É impossível que o pecado possa ajudar a graça, e que o maior deles, o da incredulidade, contribua para a fé. 

Mas repito, caros amigos, que boa parte dessas lutas e tumultos dentro da pessoa, que alguns têm experimentado, é obra do Diabo, como já disse. É essencial para a salvação que o homem fique sujeito à influência de Satanás? É necessário o Diabo se interpor para ajudar a Cristo? É essencial que os dedos sujos do Diabo sejam vistos cooperando como as mãos, imaculadas como lírios, do Redentor? Impossível! Não é assim que avalio a obra de Satanás; e acho que nem será esta a avaliação feita por vocês, se examinarem o caso. Se você nunca foi forçado por Satanás à blasfêmia ou ao desespero, dê graças a Deus por isso. Você não teria conseguido nenhuma vantagem por essa atitude; sairia perdendo muito com isso. Que ninguém imagine que, se tivesse sido vítima de sugestões atormentadoras, sua conversão teria tido mais sinais de legitimidade: nenhum erro poderia ser mais destituído de fundamento. Não é possível que o Diabo tenha qualquer utilidade a algum de vocês. Sem dúvida ele lhes provoca danos, e nada, senão danos. 

O próprio Sr. Bunyan diz, ao falar a respeito de Cristão lutando contra Apoliom, que, embora tenha conquistado a vitória, não ganhou nada com isso. Teria sido melhor o homem fazer um longo contorno, passando por sebes e fossos, que entrar em conflito, uma só vez, com Apoliom. Tudo o que é essencial para a conversão se acha no modo mais singelo de chegar imediatamente a Jesus, e quanto às demais coisas, devemos enfrentá-las se aparecerem diante de nós, mas certamente não devemos procurá-las. É fácil perceber como a tentação satânica estorva, e como mantém as pessoas sujeitas enquanto, de outra forma, poderiam estar em liberdade, mas é difícil encontrar o que de bom essa tentação poderia fazer por si mesma. 

Repetimos: muitos exemplos comprovam que toda a obra da lei, bem como as dúvidas e os temores, e ser atormentado por Satanás, não são essenciais, pois existem vintenas e centenas de cristãos que vieram a Cristo, da mesma forma que esses dois cegos, e que até hoje ficaram sabendo bem pouco a respeito dessas coisas. Eu poderia, se fosse adequado, convocar irmãos que estão a meu redor neste momento, que contariam a vocês que, quando preguei a respeito da experiência dos que vêm a Cristo com dificuldade, ficaram contentes com essas explicações no sermão, mas que pessoalmente sentiram: "Nada sabemos a respeito de tudo isso na nossa experiência". Ensinados desde a infância a respeito dos caminhos de Deus, criados por pais piedosos, sentiram as influências do Espírito Santo bem cedo na vida, ficaram sabendo que Jesus Cristo podia salvá-los, sabiam querer a salvação, e simplesmente iam até ele, e eu quero dizer que quase tão naturalmente como recorriam à mãe ou ao pai quando passavam por alguma necessidade: confiavam no Salvador, e acharam imediatamente a paz. Vários líderes honrados desta igreja chegaram ao Senhor desta maneira singela. Ontem mesmo fiquei muito contente com várias pessoas que vi confessando sua fé em Jesus de maneira que me deixou encantado. No entanto, na sua experiência cristã, havia pouco sinal de terríveis queimaduras e cicatrizes. Ouviram o evangelho, perceberam sua adequação para o caso delas, e o aceitaram no mesmo instante, e entraram imediatamente na paz e na alegria. Ora, não declaramos a existência de poucos desses casos tão claros, mas asseveramos com firmeza conhecer multidões de casos semelhantes, e existem milhares dos servos mais honrados de Deus que andam diante dele em santidade, de utilidade eminente, e cuja experiência é tão singela quanto A, B ou C. Toda a sua história pode ser resumida na estrofe: 
"Fui a Jesus, tal como era, 
Cansado, desgastado e triste; 
Achei nele um bom repouso, 
E ele me deixou feliz". 
Além disso, posso assegurar-lhes que muitos dos que podem apresentar as melhores evidências de renovação pela graça não conseguem definir a data em que foram salvos, nem atribuem a sua conversão a qualquer texto individual das Escrituras, ou a qualquer acontecimento específico na sua vida. Não ousamos duvidar da sua conversão, pois a vida deles comprova tratar-se de conversão genuína. Talvez você tenha muitas árvores no pomar, sabe quando foram plantadas; mas, se você obtiver bastantes frutos delas, você não se preocupará muito com a data em que brotaram raízes. Conheço várias pessoas que não sabem a própria idade. Conversei, um dia desses, com uma mulher que se imaginava dez anos mais velha que a idade real. Não lhe falei que ela não estava com vida, por não conhecer seu aniversário. Se eu tivesse lhe falado assim, ela teria rido de mim; no entanto, há alguns que imaginam não serem convertidos, por imaginarem a data da conversão. Ora, se você confiar no Salvador -- se ele é sua salvação e seu desejo, e se sua vida é afetada pela fé, de tal maneira que você produz os frutos do Espírito, você não precisa se preocupar com tempos e estações. 
Milhares de pessoas que estão no aprisco de Jesus podem declarar que ali estão, embora a data da entrada pela porta lhes seja totalmente desconhecida. Há milhares de pessoas que vieram a Cristo, não nas trevas da noite, mas na luz forte do dia, e não podem falar sobre esperas e vigílias cansativas, embora possam cantar da livre graça de Cristo e seu grande amor revelado na sua morte. Chegaram com júbilo ao lar do Pai; a tristeza do arrependimento foi adocicada com o deleite da fé, que lhes chegou ao coração simultaneamente com o arrependimento. Sei que é assim. Estamos contando a simples verdade. Muitos jovens são trazidos ao Salvador com o som de música doce. Muitos, também, de outro tipo, os de mentalidade singela, vêm da mesma maneira. Poderíamos todos querer pertencer àquela classificação. 

Alguns crentes professos talvez sintam vergonha de serem considerados simples, mas eu me gloriaria nisso. Existem em demasia os que duvidam e criticam, e produzem grandes enigmas, e esse esforço somente os leva a serem tolos. Os semelhantes a crianças bebem o leite, enquanto os outros o analisam. Parecem que, todas as noites, eles se desmontam analiticamente antes de recolherem à cama, e sentem dificuldade, na manhã seguinte, em ajuntar os pedaços. Para algumas mentalidades, a coisa mais difícil no mundo é crer em uma verdade evidente por si mesma. Precisam sempre, se puderem, levantar poeira e neblina, para se encher de enigmas; de outra forma, não se sentem contentes. Na realidade, nunca se sentem seguros sem ter incertezas, e nunca se sentem à vontade a não ser quando estão sendo perturbados. Bem-aventurado quem crê que Deus não pode mentir, e tem certeza de que o que Deus disse é necessariamente a verdade; este se entrega a Cristo, quer nadando, quer se afundando, porque a salvação em Cristo é o modo divino de salvar o homem, portanto, é o modo certo, e ele o aceita. Muitos, digo eu, chegaram a Cristo dessa maneira. Agora, prosseguindo adiante, existe a essência da salvação na maneira singela, agradável, e feliz de chegar a Jesus assim como você é. Porém, quais são os elementos essenciais? O primeiro é o arrependimento, e essas pessoas queridas, mesmo que não sofram remorso, odeiam o pecado que antes amaram. Embora não conheçam o horror do inferno, não deixam de sentir horror do pecado, o que é muito melhor. Embora não tenham ficado em pé, trementes, no cadafalso, o crime é mais pavoroso para elas que essa condenação. Foram ensinadas pelo Espírito de Deus a amar a justiça e a buscar a santidade, e essa é a própria essência do arrependimento. Os que assim chegam a Cristo certamente obtiveram a fé verdadeira. Não passaram por nenhuma experiência na qual pudessem confiar, e por isso são mais totalmente obrigadas a confiar no que Cristo sentiu e fez. Não confiam nas próprias lágrimas, mas no sangue de Jesus; não nas próprias emoções, mas nas dores sofridas por Cristo; não na consciência da própria ruína, mas na certeza de que Cristo veio salvar quem confiar nele. Possuem fé do tipo mais puro. 

E vejam, também, com quanta certeza têm amor. "A fé que atua pelo amor" (Gl 5.6), e essas pessoas demonstram esse fato. Muitas vezes, parece terem mais amor, já de início, que os tão terrivelmente sobrecarregados e açoitados pelas tempestades; isso porque, na quietude da sua mente, conseguem uma visão mais completa das belezas do Salvador, e ardem de amor por ele, e começam a servir-lhe, ao passo que outros, que ainda estão recebendo a cura das suas feridas, tentam fazer seus ossos quebrantados se regozijarem. 

Não estou desprezando uma experiência dolorosa, mas só quero demonstrar, quanto à segunda classificação, que a simples chegada a Cristo, como vieram os cegos, com sua simples crença de que ele lhes pudesse outorgar a visão, não é em nada inferior à primeira classificação, e que contém em si todos os elementos essenciais da salvação. Isto porque, segundo devemos notar o mandamento contido no evangelho não subentende, em si mesmo, nada do tipo que alguns têm experimentado. O que somos ordenados a pregar aos homens--"Sejam arrastados para cá e para lá pelo Diabo, e serão salvos?". Não, mas: "Creiam no Senhor Jesus Cristo, e serão salvos". Qual é o meu comissionamento nestes tempos? Dizer-lhes: "Desesperem-se, e serão salvos?". Certamente que não, mas: "Creiam, e serão salvos". Demos vir para cá a fim de dizer: "Torturem a si mesmos, triturem o coração, flagelem o espírito, e reduzam a própria alma a pó no seu desespero?". Não, ao contrário: "Creiam na infinita bondade e misericórdia de Deus na pessoa do seu Filho amado, e venham confiar nele". Esse é o mandamento do evangelho. Essa afirmação é feita de várias formas. Uma delas é a seguinte: "Voltem-se para mim e sejam salvos, todos vocês, confins da terra" (Is 45.22). Ora, se eu dissesse: "Arranquem os olhos", isso não seria o evangelho, seria? Não, mas "Olhem". O evangelho não diz: "Chorem até os olhos ficarem inflamados", mas "Olhem". E não diz: "Ceguem seus olhos com um ferro em brasas". Não, mas "Olhem, olhem, olhem". Trata-se do próprio inverso de qualquer coisa semelhante ao remorso, desespero, e pensamentos blasfemos. Trata-se apenas de "olhar". Depois, o convite é feito de outra forma. Somos convidados a tomar livremente da água da vida; devemos beber da fonte eterna do amor e da vida. 

O que devemos fazer? Somos ordenados a esquentar a água da vida até ferver e escaldar? Não. Devemos beber dela na medida em que flui livremente da fonte. Devemos fazê-la gotejar segundo a maneira da Inquisição, uma gota por vez, e devemos ficar deitados debaixo dela, para sentir o gotejar perpétuo do fluir limitado? Nada disso. Devemos simplesmente descer até a fonte, e beber, e nos satisfazermos assim, pois isso saciará a sede. E ainda, o que é o evangelho? "Comam do que é bom". Aí está o banquete do evangelho, e devemos compelir os homens a entrar; e o que devem fazer depois? Contemplar em silêncio enquanto os outros comem? Ficar parados, esperando até ficar com mais fome? Experimentar quarenta dias de jejum, como fez o Dr. Tanner? Nada disso. A julgar pela maneira que algumas pessoas pregam e agem, vocês podem imaginar que o evangelho é assim, mas não é. Vocês devem se banquetear com Cristo de imediato; não precisam jejuar até se transformarem em esqueletos vivos, para então vir a Cristo. Não fui enviado com nenhuma mensagem assim, mas minha palavra de bom ânimo é a seguinte: "Escutem, escutem-me, e comam o que é bom, e a alma de vocês se deliciará com a mais fina refeição. Venham, todos vocês que estão com sede, venham às águas; e vocês que não possuem dinheiro algum, venham, comprem e comam! Venham, comprem vinho e leite, sem dinheiro e sem custo" (Is 55.2,1). Aceitem livremente o que Deus dá de graça, e apenas confiem no Salvador. Não é isso o evangelho? Por que, portanto, alguém diria: "Não posso confiar em Cristo, porque não tenho esta ou aquela sensação?". Asseguro a vocês, com solenidade, que fiquei sabendo de muitos que chegaram a Cristo exatamente como estavam--nunca sofreram as sensações horríveis tão comentadas, e nem por isso foram preteridas. Venham como vocês estão. Não tentem fazer sua iniquidade contar como justiça, a incredulidade como confiança, nem suas blasfêmias como Cristo--aparentemente o que alguns dentre vocês fazem; nem fiquem tão caducos e tolos a ponto de imaginar que o desespero possa ser fundamento da esperança. Não pode ser assim. Vocês devem sair do próprio eu, e passar para Cristo; nele, estarão seguros. Como disse o cego, quando Cristo lhe perguntou: "Você crê que eu sou capaz de fazer isso?", assim também você deve lhe dizer: "Sim, Senhor". Entregue-se nas mãos do Salvador, e ele será seu Salvador. 
  
III. Concluo com mais uma observação: as pessoas que têm o privilégio de chegar a Jesus de modo suave, agradável e feliz, nada perdem com isso. Há, com certeza, alguma coisa, mas não de muito valor. Perdem algo do aspecto pitoresco, e têm menos para contar. Quando um homem passou por uma série longa de provações para o arrancar de dentro de si mesmo, e finalmente ele vem a Cristo, como um navio naufragado, rebocado até o porto, tem muita coisa para contar nas conversas e por escrito, e talvez considere interessante poder narrar tudo; e, se conseguir contá-lo para a glória de Deus, é muito adequado que assim proceda. Muitas dessas histórias se acham nas biografias, por serem os incidentes que despertam interesse e contribuem para a vida que merece uma biografia; mas não se pode tirar a conclusão de que todas as vidas piedosas são do mesmo tipo. Felizes são aqueles cuja vida não formou semelhante literatura, por terem sido tão felizes que não houve acontecimentos dramáticos. Algumas vidas mais favorecidas não são registradas, por não ter havido nelas nada de muito pitoresco. Mas pergunto a vocês o seguinte: quando os cegos foram até Cristo exatamente como estavam, e disseram crer que ele era capaz de lhes abrir os olhos--como realmente o fez--, não houve tanto de Cristo na história deles quanto poderia haver? Os próprios homens pouco aparecem, mas o Mestre que os curou está em primeiro plano. Muitos outros pormenores poderiam quase remover a preeminência peculiar que Jesus tem na história inteira. Ali está Jesus, o bendito e glorioso abridor dos olhos dos dois cegos; ali ele consta sozinho, e seu nome é glorioso! Havia uma mulher que gastara todos os recursos financeiros nos médicos, e não melhorou em nada, pelo contrário, ficou pior. Ela poderia contar uma história bem prolongada dos vários médicos que a tinham atendido; mas não me convenço de que a narrativa das suas muitas decepções teria glorificado o Senhor nem um pouco mais que quando esses dois cegos podiam dizer: "Ouvimos falar nele, e fomos até ele, e ele nos abriu os olhos. Nunca gastamos um tostão em médicos. Fomos diretamente a Jesus, assim como estávamos, e tudo o que ele nos disse foi: 'Vocês crêem que eu sou capaz de fazer isso?', e respondemos: 'Sim, Senhor, cremos que pode', e ele abriu imediatamente os nossos olhos; e tudo foi feito". Ah, se minha experiência chegasse a ser colocada na luz do meu Mestre, que pereça minha melhor experiência! Que Cristo seja o primeiro, o último, e ainda ocupar a posição do meio; vocês não falam assim, meus irmãos? Se 
você, miserável pecador, chegar imediatamente a Cristo, sem a mínima qualificação da qual pudesse se jactar--ser você for alguém insignificante que se chega à Pessoa bendita para sempre,-- se você for um nada, acorrendo para quem é Tudo em todos; se você for uma massa informe de pecado e de desgraça, um grande vácuo, nada senão um vazio que não merece a mínima atenção, se você se aproximar e perder a si mesmo na sua graça infinitamente gloriosa--isso já seria o necessário. A mim me parece que você nada perderá pelo fato de não haver muito do pitoresco e do sensacional na sua experiência. Haverá, pelo menos, essa grandiosa sensação--perdido quanto ao eu, mas salvo em Jesus, glória ao seu nome! 

É possível supor que as pessoas que chegam a Jesus tão suavemente sintam, mais tarde, a perda de alguma evidência. "Ah", me disse alguém, "às vezes desejo ter sido um transgressor contumaz, a fim de poder ver a mudança no meu caráter; mas, visto que sempre vivi moralmente desde a juventude, e nem sempre consigo ver qualquer marca distintiva de transformação". Quero lhes dizer, amigos, que essa forma de evidência é de pouca utilidade em tempos de trevas, pois se o Diabo não pode dizer a um homem: "Você não mudou de vida"--pois há alguns aos quais ele não teria a impudência de dizer isso, pois a mudança é muito evidente para o Diabo negá-la--ele diz: "Você mudou as ações, mas o coração permanece o mesmo. Você transformou-se de pecador aberto e declarado em crente professo, hipócrita e artificial. É só isso o que você fez: abriu mão do pecado flagrante porque suas paixões entraram em declínio, ou por pensar que gostaria de outro modo de pecar; e agora você faz apenas uma falsa profissão de fé, e vive muito distante do que deveria praticar". Bem pouco consolo pode ser obtido, quando o arquiinimigo se torna nosso acusador, mesmo com base na transformação que a conversão opera. 

Os fatos se reduzem ao seguinte: independentemente do modo de você ter chegado a Cristo, nunca poderá firmar sua confiança em como chegou. A confiança sempre deve se repousar naquele a quem você chegou--ou seja, em Cristo--quer você tenha chegado a ele voando, correndo, ou andando. Se você chegou até Jesus, tudo está bem com você, de qualquer jeito; mas a questão não é como você chegou, mas se você chegou mesmo a ele. Você chegou até Jesus? Você vem até Jesus? Se você já chegou a Jesus, e duvida se realmente chegou, passe para ele de novo. Nunca discuta com Satanás a respeito de você ser cristão, ou não. Se ele disser que você é pecador, responda-lhe: "É isso que sou, mas Jesus Cristo veio ao mundo para salvar os pecadores, e eu começarei de novo". Satanás é um advogado com muita prática, e muito astuto, e sabe nos desconcertar, visto que não entendemos as coisas tão bem como ele. Sua atividade, nestes dois mil anos, é tentar levar os cristãos a duvidar da participação que têm em Cristo, e ele conhece bem seu trabalho. Nunca responda a ele. Encaminhe-o para a defesa que você tem, conte-lhe que você tem o Consolador nas alturas, que responderá a Satanás. Diga-lhe que você recorrerá a Cristo de novo; se nunca foi até Cristo antes, irá agora, e se foi antes, voltará a ele. Essa é a maneira de terminar a briga. Quanto às evidências, são coisas boas no bom tempo, mas quando a tempestade ruge, os mais sábios deixam as evidências para lá. A melhor evidência que alguém pode possuir no sentido de ser salvo, é ainda estar se firmando em Cristo. 

Finalizando, alguns podem supor que quem chega suavemente a Cristo pode perder bastante adaptação para sua utilidade posterior, visto que não poderão compadecer-se dos que estão em profunda perplexidade, e em terríveis apertos enquanto chegam até Cristo. Pois bem, há muitos entre nós que podem mesmo compadecer-se dessas pessoas; e estou certo de que todas elas estão obrigadas a se compadecer das demais, em todos os aspectos. Lembro-me de ter mencionado certo dia, a um homem dono de propriedades consideráveis, que seu pobre pastor tinha muitos filhos e com dificuldade conseguia ter uma roupa para lhe cobrir as costas. Falei que achava estranho como alguns cristãos, que obtinham muito proveito do ministério de semelhante homem, não supriam suas necessidades; o referido homem respondeu que achava bom os ministros serem pobres, pois assim poderiam compadecer-se dos pobres. Falei: "Pois bem, mas nesse caso, você não consegue perceber que deveria haver um ou dois pastores que não são pobres, para se compadecerem dos ricos". Certamente deveriam ter a oportunidade do revezamento, para deixar o pastor pobre aprender, de vez em quando, a compadecer-se das duas classes. Segundo parece, o homem não se deu bem com meu argumento, mas acha que tem conteúdo. É uma grande bênção termos entre nós alguns irmãos que, por causa de experiências dolorosas, podem compadecer-se dos que já passaram por aquela dor; mas vocês não acham que também é uma grande bênção termos outros que, embora não tenham passado por aquela experiência, possam se compadecer dos outros que também não passaram por ela? Não é útil ter alguns que podem dizer: Pois bem, querido, não fique perturbado porque o grande cão do inferno não uivou contra você. Se você passou pela porta do aprisco de modo calmo e tranqüilo, e Cristo o acolheu, não fique perturbado porque o Diabo não latiu contra você, pois eu, também, cheguei a Jesus de um modo tão suave, seguro e doce quanto o seu". Semelhante testemunho consolará a pobre alma; e assim, se você perder a capacidade de identificar-se de um jeito, você conseguirá o poder para fazê-lo de outro modo; e não haverá grande perda. Para resumir tudo em um só caso, eu gostaria que todo homem, mulher e criança, chegasse a confiar no Senhor Jesus Cristo. Parece-me que semelhante plano de salvação é incomparável, pois nele Cristo toma sobre si o pecado humano, e sofre no lugar do pecador, e neste plano nada nos sobra para fazer, a não simplesmente aceitar o que Cristo fez, e nos confiar totalmente a ele. Quem não quiser ser salvo por um plano assim, merecer perecer; e deve perecer. Já existiu um evangelho tão doce, seguro, claro como este? É uma alegria pregá-lo. Vocês querem aceitá-lo? Almas queridas, vocês não querem se entregar para ser nada, e deixar Jesus ser tudo em todos?
Deus conceda que ninguém entre nós rejeite esse caminho da graça, esse caminho aberto e seguro. Venham, sem mais demora. O Espírito e a noiva dizem "Vem". Senhor, atrai-os pelo amor de Jesus. Amém. 

FONTE: Retirado do e-book "Os milagres de Jesus" C.H. Spurgeon
Reforma Radical

Formulário de Contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Somente a Escritura - Somente Cristo - Somenta a Graça - Somente a Fé - Glória Somente a Deus!!